Jazzbossa.com Mapa | Contato
Jazzbossa.com
Jazzbossa.com | Teoria Musical | Improvisação | Intervalos | Software

Uma Introdução à Improvisação no Jazz, de Marc Sabatella - Tradução de Cláudio Brandt

Índice Geral | Anterior: Fundamentos do Jazz: Estrutura | A seguir: Fundamentos do Jazz: Criatividade

©2007

Teoria Musical
Pauta e Claves
Fórmula de Compasso
Tom e Semitom
Escala Maior
Escalas Menores
Intervalos
Acordes
Aberturas
Acordes de Sétima

Jazz
História
Fundamentos
Rel. Acorde/Escala
Teoria Musical
Harmonia (Maior)
Harm. (Menor Melódica)
Escalas Pentatônicas
Escalas de Blues
Aplicando a Teoria
Improv. s/ Harmonia
Bibliografia
Discografia
Standards

Fundamentos do Jazz (parte 2)

O Suingue do Jazz

Entender a estrutura da música é o primeiro passo em direção a uma melhor apreciação dela. O resto desta Introdução lidará principalmente com exemplos musicais aplicados. Antes que você mergulhe na teoria, entretanto, precisa desenvolver uma percepção do suingue do jazz. Isso faz parte do motivo pelo qual se deve ouvir tanta música, já que é virtualmente impossível ensinar o suingue do jazz com teoria. Não obstante, tentarei explicar o que você deve ouvir e tentar alcançar quando estiver tocando.

Definição de Suingue

O elemento mais básico do suingue do jazz é a colcheia suingada. Na música clássica, as colcheias num compasso 4/4 devem ocupar exatamente metade de um tempo cada. Elas são chamadas pelo pessoal do jazz de colcheias exatas (straight eighth notes, ou simplesmente straight eighths). Toque uma escala de Dó Maior ("Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si, Dó") com colcheias exatas. Se tiver um metrônomo, ajuste ele para 96 batidas por minuto. Essas são semínimas: "um dois três quatro". Agora subdivida isso mentalmente: "um-e dois-e três-e qua-e".

Uma aproximação comum para o suingue do jazz usa tercinas. Os tempos básicos são subdivididos mentalmente como "um-e-a dois-e-a três-e-a qua-e-a", e você toca somente no tempo e no "a". A primeira nota de cada tempo terá o dobro da duração da segunda. Isso vai soar como um Código Morse traço-ponto-traço-ponto-traço-ponto-traço-ponto, e é exagerado demais para sua utilização no jazz. Em algum ponto entre as colcheias exatas (proporção 1:1 entre a primeira e a segunda nota) e as tercinas (proporção 2:1) estão as notas do verdadeiro suingue do jazz. Não posso dar uma proporção exata, contudo, porque ela varia dependendo do andamento e do estilo da peça. Em geral, quanto mais rápido o andamento, mas exatas as colcheias. Além disso, os músicos da era pré-bebop geralmente usam um suingue mais exagerado do que os de períodos posteriores, mesmo no mesmo andamento. Independente de qual seja a proporção, a segunda "metade" de cada tempo geralmente é acentuada, e os tempos dois e quatro geralmente são acentuados também. Aqui também a quantidade de acento depende do músico e da situação.

Também há o problema de tocar antes ou depois do tempo. Quando Dexter Gordon toca, até mesmo as notas que deviam cair no tempo são geralmente tocadas um pouco retardadas. Isso geralmente é chamado de laying back. Isso dá um ar mais relaxado para a música, enquanto tocar um pouco antes as notas que deviam cair no tempo pode ter o efeito oposto. Os baixistas geralmente tocam ligeiramente antes do tempo, especialmente nos andamentos mais rápidos, para fazer a música seguir à frente.

Nem todos os estilos de jazz usam o suingue da mesma maneira. A maioria dos estilos de jazz latino e muitos estilos de fusion e jazz moderno usam colcheias exatas, ou colcheias que são só ligeiramente suingadas. O shuffle e alguns outros estilos de rock usam um suingue muito exagerado. Ouça de perto a gravações de diferentes estilos, prestando atenção às diferenças. Não se engane achando que o suingue é uma constante universal.

Praticando o Suingue

Aprender a tocar colcheias em suingue que soem naturais é geralmente a parte mais difícil do aprender a tocar jazz, já que isso pode soar muito mal até que você consiga fazer direito. Há algumas técnicas que podem ajudar você a superar essa complicada fase inicial.

Se você vem ouvindo atenciosamente outros músicos, pode estar melhor em reconhecer o suingue do que em tocá-lo. Por isso, eu recomendo muito que você grave você mesmo tocando colcheias em suingue em vários andamentos, e então ouça a gravação. Você pode julgar por si próprio se o seu suingue soa natural ou forçado. Alguém já disse que quem não consegue suingar sozinho, não consegue suingar. É preciso trabalhar no seu próprio conceito de suingue desta maneira, para que a sua percepção de como o seu suingue está soando não seja influenciada pelo som de outros músicos que o estejam acompanhando.

Você deve praticar o suingue independente daquilo que estiver tocando. Quando praticar escalas, pratique também o suingue, além de simplesmente tocar as notas certas. Tente variar o ritmo que usa para tocar a escala. Além de escalas, você deve tentar praticar o suingue quando estiver tocando outros exercícios ou canções. Qualquer método de prática musical ou fakebook terá provavelmente várias peças apropriadas. Tente tocar músicas com muitas colcheias consecutivas, mas tente também canções com notas e pausas mais longas. Ter de tocar muitas colcheias consecutivas pode deixar você muito tímido em relação ao suingue.

Embora conseguir suingar sozinho seja importante, não é fácil fazer no começo, e quando estiver desenvolvendo sua noção de suingue, ouvir-se ocasionalmente no contexto de um grupo também pode ajudar. Outra coisa que ajuda às vezes é ter uma seção de acompanhamento rítmico. Se você tiver o Band-In-A-Box, pode programá-lo para tocar chorus intermináveis em Dó Maior, e aí você pode tocar ou improvisar sobre a escala de Dó Maior enquanto pratica o suingue. Os discos do Jamey Aebersold também podem fornecer o acompanhamento, mas esteja atento ao fato de que a maioria das faixas tem muitas mudanças de acordes, e são muito complexas para ser usadas com esse propósito. Há algumas faixas adequadas, entretanto, como as dos Volumes 1, 16, 21, 24 e 54, que são voltados para iniciantes. Esses livros, especialmente os primeiros quatro, também contêm úteis materiais didáticos.

Se você tem um parceiro, ou um gravador, ou um sequenciador (equipamento e/ou software para gravar e tocar num sintetizador), pode criar acompanhamentos caseiros. Os componentes básicos de uma batida de bateria para o suingue são o padrão do ride (prato de condução) e o padrão do chimbal. O padrão do ride, em sua forma mais básica, é "1, 2 e, 3, 4 e"; ou, foneticamente, "dim dim-ah dim dim-ah". As colcheias nos tempos 2 e 4 devem ser suingadas, é claro. O chimbal é fechado (com o pedal) no 2 e 4. Linhas de baixo podem ser construídas seguindo-se algumas regras simples. Primeiro, toque semínimas. Segundo, toque-as nas duas oitavas abaixo do Dó central. Terceiro, toque somente notas da escala em que você está trabalhando. Quarto, a maioria das notas deve estar somente um tom de distância da nota anterior, embora saltos ocasionais sejam aceitáveis. Por exemplo, uma linha de baixo em Dó Maior pode consistir de "Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Mi, Fá, Sol, Lá, Si, Lá, Sol, Fá, Mi, Ré, Si, Dó". Você vai precisar de muita paciência para criar seu próprio acompanhamento com um gravador, já que vai precisar gravar muitos compassos para não ter que ficar rebobinando a fita quando estiver improvisando mais adiante. Um sequenciador permite que você crie loops, de modo que possa gravar somente alguns compassos e fazer com que eles sejam repetidos indefinidamente.


Vire fã do Jazzbossa.com:




© 2005-2007 Cláudio Brandt Todos os direitos reservados.