Jazzbossa.com Mapa | Contato
Jazzbossa.com
Jazzbossa.com | Teoria Musical | Improvisação | Intervalos | Software

Uma Introdução à Improvisação no Jazz, de Marc Sabatella - Tradução de Cláudio Brandt

Índice Geral | Anterior: Relações Acorde Escala | A seguir: Harmonia da Escala Maior

©2007

Teoria Musical
Pauta e Claves
Fórmula de Compasso
Tom e Semitom
Escala Maior
Escalas Menores
Intervalos
Acordes
Aberturas
Acordes de Sétima

Jazz
História
Fundamentos
Rel. Acorde/Escala
Teoria Musical
Harmonia (Maior)
Harm. (Menor Melódica)
Escalas Pentatônicas
Escalas de Blues
Aplicando a Teoria
Improv. s/ Harmonia
Bibliografia
Discografia
Standards

Teoria Musical Básica

Esta seção revisa os conceitos de intervalos, escalas, tonalidades, acordes, e o Ciclo das Quintas da teoria musical clássica. Aqueles leitores que já aprenderam a teoria clássica básica podem pular esta seção se desejarem.

Intervalos

Há 12 notas diferentes na música tradicional: Dó, Dó Sustenido/Ré Bemol, Ré, Ré Sustenido/Mi Bemol, Mi, Fá, Fá Sustenido/Sol Bemol, Sol, Sol Sustenido/Lá Bemol, Lá, Lá Sustenido/Si Bemol e Si. Depois do Si vem o Dó uma oitava acima do primeiro Dó, e este ciclo continua. Essa sequência é chamada de escala cromática. Cada etapa nessa escala é chamada de um meio tom ou semitom. O intervalo entre duas notas é definido pelo número de semitons entre elas. Duas notas distantes um semitom, como Dó e Dó Sustenido, definem uma segunda menor. As notas que estão dois semitons distantes, como Dó e Ré, definem uma segunda maior. Isso também é chamado um tom inteiro. De semitom em semitom, os demais intervalos são a terça menor, terça maior, quarta justa, trítono, quinta justa, sexta menor, sexta maior, sétima menor, sétima maior e, por fim, a oitava.

A maioria desses intervalos também tem outros nomes. Por exemplo, um trítono é às vezes chamado de quarta aumentada se a notação das notas do intervalo parecer descrever uma quarta. Por exemplo, o intervalo trítono de Dó a Fá Sustenido é chamado de quarta aumentada, porque o intervalo de Dó para Fá é uma quarta justa. Por outro lado, se as notas do intervalo parecerem descrever uma quinta, aí o trítono é às vezes chamado de quinta diminuta. Por exemplo, o intervalo trítono do Dó ao Sol Bemol, que é na verdade o mesmo que o intervalo de Dó a Fá Sustenido, é chamado uma quinta diminuta, porque o intervalo de Dó a Sol é uma quinta justa. Em geral, se qualquer intervalo maior ou perfeito é aumentado em um semitom pela inclusão de um acidente (a indicação de bemol ou sustenido numa nota), o intervalo resultante é chamado aumentado, e se algum intervalo menor ou perfeito é reduzido em um semitom pela adição de um acidente, o intervalo resultante é chamado diminuto.

Escalas Maiores e Menores

Todas as escalas são simplesmente subconjuntos da escala cromática. A maioria das escalas tem 7 notas diferentes, mas algumas têm 5, 6 ou 8. A escala mais simples, que será usada como um exemplo para a discussão de acordes, é a escala Dó Maior, que tem "Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si". Uma escala maior é definida pelos intervalos entre essas notas: "T T s T T T (s)", onde "T" indica um tom inteiro e "s", um semitom. Assim, uma escala Sol Maior tem "Sol, Lá, Si, Dó, Ré, Mi, Fá Sustenido", com um semitom levando ao sol que iniciaria a próxima oitava.

A escala que consiste das mesmas notas da escala de Dó Maior, mas começa no Lá ("Lá, Si, Dó, Ré, Mi, Fá, Sol") é uma escala de Lá Menor. Ela é chamada de escala relativa menor de Dó Maior, já que é uma escala menor construída com as mesmas notas. A relativa menor de qualquer escala maior é formada quando se toca as mesmas notas a começar pela sexta nota da escala maior. Assim, a relativa menor da escala de Sol Maior é Mi Menor.

Uma peça que é baseada numa escala específica é considerada como da tonalidade dessa escala. Por exemplo, uma peça baseada nas notas Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá e Si é considerada como sendo ou da escala de Dó Maior, ou da de Lá Menor. A progressão de acordes da peça pode distinguir os dois. Do mesmo modo, uma peça baseada nas notas Sol, Lá, Si, Dó, Ré, Mi e Fá Sustenido está ou em Sol Maior ou Mi Menor. Quando a palavra "maior" ou "menor" é omitida, presume-se "maior". O conjunto de notas bemóis e sustenidas numa escala define a armadura de tom da tonalidade em questão. Assim, a armadura de tom de Sol Maior contém um Fá Sustenido.

Você deve tentar tocar várias escalas maiores e menores. Talvez seja bom escrever as notas de cada escala, ou comprar um livro como Scales For Jazz Improvisation, de Dan Haerle, que contém muitas escalas já soletradas para você. As escalas mais complexas descritas abaixo devem ser soletradas e praticadas. Os ouvintes de jazz devem tentar o bastante de cada escala para se tornar familiar com seu som. Em muitos casos, somente uma tonalidade será suficiente. Os músicos devem praticar cada escala em todas as doze tonalidades por sobre toda a gama de seus instrumentos até que tenham completa maestria sobre todas elas. Entretanto, não se deixe afogar pelas várias escalas a ponto de ficar frustrado e nunca avançar para as próximas seções sobre como aplicar a teoria. Você deve começar a aplicar a teoria quando tiver algum comando dos modos dórico, mixolídio, lídio e lócrio descritos abaixo.

Acordes

Um acorde é um conjunto de notas, geralmente tocadas ao mesmo tempo, que formam um relacionamento harmônico específico entre si. O acorde mais básico é a tríade. Uma tríade, como o nome dá a entender, é composta por três notas, separadas por intervalos de uma terça. Por exemplo, as notas Dó, Mi e Sol tocadas juntas formam a tríade Dó Maior (C). Ela é chamada assim porque as três notas vêm do começo da escala de Dó Maior. O intervalo de Dó a Mi é uma terça maior, e de Mi a Sol, uma terça menor. Essa ordem de intervalos define uma tríade maior. Uma tríade de Sol Maior (G) é composta por Sol, Si e Ré; outras tríades maiores são construídas de maneira similar.

As notas Lá, Dó e Mi formam a tríade Lá Menor, assim chamada porque as notas do vêm do começo da escala Lá Menor. O intervalo de Lá a Dó é uma terça menor, e de Dó a Mi, uma terça maior. Essa ordem de intervalos define uma tríade menor. Uma tríade Mi Menor é composta de Mi, Sol e Si; outras tríades menores são construídas de maneira similar.

Os outros dois tipos de tríades são a tríade diminuta e a tríade aumentada. Uma tríade diminuta é como uma tríade menor, mas a terça maior no topo é reduzida a uma terça menor. Assim, uma tríade Lá Diminuta seria formada trocando o Mi da tríade Lá Menor por um Mi Bemol. Uma tríade aumentada é como uma tríade maior, mas a terça menor no topo é aumentada para uma terça maior. Assim, uma tríade Dó Aumentada seria formada pela troca do Sol numa tríade de Dó Maior pelo Sol Sustenido. Observe que uma tríade diminuta pode ser formada com três notas da escala maior; por exemplo, Si, Ré e Fá na escala Dó Maior. Entretanto, não existem tríades aumentadas ocorrendo naturalmente nas escalas maiores e menores.

Uma tríade pode ser estendida adicionando-se mais terças no seu topo. Por exemplo, se você pega a tríade de Dó Maior ("Dó, Mi, Sol"), e acrescenta Si, você tem um acorde de Dó com Sétima Maior (Cmaj7 ou CM7), assim chamado porque as notas vêm da escala de Dó Maior. De modo similar, se você pegar a tríade de Lá Menor ("Lá, Dó, Mi"), e adiciona o Sol, você tem um acorde de Lá com Sétima Menor (Am7 ou A-7), assim chamado porque as notas vêm da escala de Lá Menor. O tipo mais comum de acorde de sétima na harmonia clássica, entretanto, é a sétima da dominante, que é obtido adicionando-se uma sétima menor à tríade maior construída a partir da quinta nota da escala maior, que também é chamada de dominante. Por exemplo, no tom Dó Maior, a quinta nota é o Sol, por isso uma tríade de Sol Maior ("Sol, Si, Ré") com uma sétima acrescentada (Fá) é um acorde de Sol com Sétima da Dominante (G7).

Esses três tipos de acordes de sétima têm um relacionamento muito importante entre si. Em qualquer tom maior, por exemplo, Dó, o acorde construído sobre o segundo grau da escala é um acorde de sétima menor; o acorde feito sobre o quinto grau da escala é chamado um acorde de sétima da dominante; e um acorde com sétima feito sobre a tônica da escala é um acorde de sétima maior. Geralmente se usam algarismos romanos para indicar os graus da escala, com maiúsculas indicando tríades maiores e suas sétimas, e minúsculas indicando tríades menores e suas sétimas. A sequência Dm7 - G7 - Cmaj7 no tom de Dó pode assim ser representada como ii-V-I. Essa é uma progressão de acordes muito comum no jazz, e ela é discutida em muito detalhe mais adiante. O movimento da fundamental nessa progressão é de quartas justas para cima, ou de quintas justas para baixo. Essa é também uma das resoluções mais fortes da harmonia clássica.

As sétimas também podem ser adicionadas a tríades diminutas ou tríades aumentadas. No caso de uma tríade diminuta, a terça adicionada pode ser uma terça menor, o que cria uma sétima diminuta (por exemplo, "Lá, Dó, Mi Bemol, Sol Bemol", ou Adim) ou uma terça maior, que cria uma sétima meio diminuta (por exemplo, "Si, Ré, Fá, Lá" ou Bm7b5). Uma terça menor pode ser adicionada a uma tríade aumentada, embora esse seja um acorde usado tão raramente que nem tem um nome padrão na teoria clássica. Adicionar uma terça maior a uma tríade aumentada criaria um acorde de sétima só no nome, já que a nota acrescentada é uma repetição, uma oitava acima, da fundamental (a nota mais grave) do acorde. Por exemplo, "Dó, Mi, Sol Sustenido, Dó". Tecnicamente, a sétima é um Si Sustenido em vez de um Dó, mas nos sistemas modernos de afinação elas são a mesma nota. Duas notas que têm nomes diferentes mas a mesma altura, como Si Sustenido e Dó, ou Fá Sustenido e Sol Bemol, são chamadas enarmônicas. A teoria clássica é geralmente muito exigente quanto à grafia enarmônica correta de um acorde, mas no jazz, a grafia mais conveniente é geralmente usada.

Outras extensões para todos os tipos de acordes de sétima podem ser criadas pela adição de mais terças. Por exemplo, o acorde de Dó com Sétima Maior ("Dó, Mi, Sol, Si") pode ser estendido para um acorde de Dó com Nona Maior, pelo acréscimo do Ré. Essas extensões posteriores e alterações formadas abaixando-se ou elevando-se a nota em meio tom, são as marcas registradas da harmonia do jazz, e são discutidas nas seções abaixo. Embora haja uma variedade quase infinita de possibilidades de acordes, a maioria dos acordes usados com frequência no jazz pode ser classificada como acordes maiores, acordes menores, acordes da dominante, ou acordes meio diminutos. Acordes totalmente diminutos e acordes aumentados também são usados, mas, como será visto, eles geralmente são usados como substitutos para um dos quatro tipos básicos de acorde.

O Ciclo das Quintas

O intervalo de uma quinta justa é significativo de várias maneiras na teoria da música. Muitas pessoas usam um diagrama chamado Ciclo das Quintas (ou Círculo das Quintas) para ilustrar esse significado. Desenhe um círculo em que a circunferência seja dividida em doze partes iguais, como num relógio. Coloque a letra C (Dó) no topo do ciclo, e aí nomeie os outros pontos no sentido horário com G, D, A, E, B, F#/Gb, C#/Db, G#/Ab, D#/Eb, A#/Bb, e F. O intervalo entre quaisquer duas notas adjacentes é uma quinta justa. Observe que cada nota da escala cromática está incluída exatamente uma vez no ciclo.

Ciclo das Quintas

Uma utilidade do ciclo das quintas está em determinar as armaduras de tom. O tom de Dó Maior (C) não tem bemóis nem sustenidos. À medida que você caminha no sentido horário pelo círculo, cada nova armadura de tom adiciona um sustenido. Por exemplo, Sol Maior tem um sustenido (F#); Ré Maior tem dois (F# e C#); Lá Maior tem três (F#, C# e G#); Mi Maior tem quatro (F#, C#, G# e D#); e assim por diante. Observe também que os próprios sustenidos adicionados em cada passo seguem o círculo das quintas, a começar pelo F# (adicionado no Sol Maior), depois o C# (em Ré), daí o G# (em Lá), depois o D# (em Mi), e assim por diante. No caminho oposto, se você seguir o círculo das quintas no sentido anti-horário, as armaduras de tom adicionam bemóis. Por exemplo, Fá Maior tem um bemol (Bb); Si Bemol Maior tem dois (Bb e Eb); Mi Bemol Maior tem três (Bb, Eb, e Ab); e assim por diante. Os bemóis adicionados em cada passo também seguem o ciclo das quintas, começando com o Bb (acrescentado no Fá Maior), depois o Eb (em Si Bemol), daí o Ab (no Mi Bemol), e assim por diante.

O ciclo das quintas também define escalas. Qualquer conjunto de sete notas consecutivas pode ser combinado para formar uma escala maior. Qualquer conjunto de cinco notas consecutivas pode ser combinado para formar uma escala pentatônica, que será abordada mais tarde.

Se as notas no ciclo das quintas forem consideradas como nomes de acordes, elas mostram o movimento descendente da fundamental em quintas justas quando lidas no sentido anti-horário. Já se observou que esse movimento da fundamental é uma das resoluções mais fortes que existem, especialmente no contexto de uma progressão de acordes ii-V-I. Por exemplo, uma progressão ii-V-I em Fá tem Gm7 - C7 - F, e os nomes desses três acordes podem ser lidos a partir do círculo das quintas. Pode-se sempre encontrar a nota a um intervalo de um trítono de uma dada nota simplesmente olhando-se na direção diametralmente oposta no círculo. Por exemplo, um intervalo de um trítono a partir de G é Db, e essas notas estão diretamente opostas entre si no círculo. Isso pode ser útil na execução de substituições por trítonos, abordadas mais adiante.


©2017


© 2005-2007 Cláudio Brandt Todos os direitos reservados. O Jazzbossa.com é hospedado gratuitamente pela 000webhost.com.

www.000webhost.com