Jazzbossa.com Mapa | Contato
Jazzbossa.com
Jazzbossa.com | Teoria Musical | Improvisação | Intervalos | Software

Uma Introdução à Improvisação no Jazz, de Marc Sabatella - Tradução de Cláudio Brandt

Índice Geral | Anterior: Bibliografia Comentada: Fakebooks | A seguir: Bibliografia Comentada: História e Biografia

©2007

Teoria Musical
Pauta e Claves
Fórmula de Compasso
Tom e Semitom
Escala Maior
Escalas Menores
Intervalos
Acordes
Aberturas
Acordes de Sétima

Jazz
História
Fundamentos
Rel. Acorde/Escala
Teoria Musical
Harmonia (Maior)
Harm. (Menor Melódica)
Escalas Pentatônicas
Escalas de Blues
Aplicando a Teoria
Improv. s/ Harmonia
Bibliografia
Discografia
Standards

Bibliografia Comentada (Parte 2)

Teoria e Prática

Há dezenas, se não centenas, de livros sobre métodos de prática, teoria, e métodos de análise no mercado. Eu só vi uma meia dúzia deles, e nenhuma boa introdução holística, de propósito geral sobre improvisação, o que é o motivo de eu ter escrito esta Introdução. Os comentários abaixo variam na quantidade de detalhe incluída. Como se pode esperar, tenho mais a dizer sobre os livros com os quais sou mais familiar, enquanto aqueles com uma curta frase de resumo são, na maioria, livros que eu nunca vi, mas que me recomendaram.

Os livros abaixo são apresentados na seguinte ordem geral: material de background; instrução geral básica, intermediária e avançada; instrução específica para um instrumento; e composição/arranjo.

  • Jerry Coker, How To Practice Jazz. Este não é tanto um livro sobre como fazer, mas sobre como aprender a fazer. Ele tem muitas dicas sobre prática, como o nome dá a entender, bem como muitas referências para outros livros, principalmente os livros de David Baker ou do próprio Coker, que contêm informações mais detalhadas sobre improvisação.
  • Jerry Coker, How To Listen To Jazz. Este livro é uma boa introdução ao jazz de uma perspectiva do ouvinte. Há uma discussão sobre história, os papéis dos vários instrumentos, vários estilos e formas de composições do jazz e apresentações. Há uma discussão direta sobre técnicas e esquemas comuns. Coker também conduz o ouvinte através de várias gravações famosas, apontando como as técnicas ou esquemas específicos que ele descreve são usados. Como a maioria dos livros de teoria à venda são fracos em associar a instrução deles a um contexto mais amplo, este volume é recomendado como um companheiro a qualquer outro livro de método iniciante ou avançado que você esteja lendo.
  • Dan Haerle, The Jazz Language. Este livro ocupa-se da teoria e da terminologia usada no jazz, e não é necessariamente organizado como um guia prático.
  • Jerry Coker et al., Patterns For Jazz. Este livro apresenta uma série de padrões baseados em acordes e escalas específicos, e faz você praticar tudo em todas as tonalidades. Os padrões são relacionados a progressões harmônicas específicas.
  • Dan Haerle, Scales For Jazz Improvisation. Este livro lista a maioria das escalas usadas por músicos de jazz e transcreve elas para o uso na prática. Ele é útil se você quer ver todas as escalas num único livro, mas na verdade não contém muita informação que não seja encontrada na maioria dos livros básicos ou intermediários de instrução, ou nesta Introdução.
  • Jerry Coker, Improvising Jazz; David Baker, Jazz Improvisation. Estes são provavelmente os livros introdutórios sobre improvisação mais amplamente utilizados. Coker e Baker estão entre as autoridades mais respeitadas sobre pedagogia do jazz. Eles escrevem a partir de perspectivas similares. A ênfase nestes dois livros é sobre a teoria básica de escalas e esquemas melódicos.
  • Mark Boling, The Jazz Theory Workbook. Este é basicamente um livro iniciante e intermediário.
  • Scott Reeves, Creative Jazz Improvisation. Este livro foi recomendado com o um dos livros sobre improvisação mais úteis. Como esta Introdução, ele dá ênfase no contexto histórico, em vez de simplesmente apresentar a teoria.
  • David Baker, How To Play Bebop. Este material na verdade consiste de três volumes que são principalmente dedicados ao desenvolvimento de linhas melódicas. As escalas de bebop são enfatizadas.
  • Hal Crook, How To Improvise. Este é um livro intermediário a avançado, já que ele pressupões algum conhecimento da teoria de escalas. Ele ressalta o uso de esquemas harmônicos e rítmicos no desenvolvimento melódico.
  • Steve Schenker, Jazz Theory. Este é um livro intermediário a avançado.
  • Jerry Coker, Complete Method For Improvisation; David Baker, Advanced Improvisation. Estas são versões mais avançadas dos livros introduções destes autores.
  • Walt Weiskopf e Ramon Ricker, Coltrane: A Players Guide To His Harmony. Este é um livro inteiro dedicado às Progressões Coltrane.
  • Gary Campbell, Expansions. Este livro intermediário a avançado apresenta várias escalas, entre elas algumas bem esotéricas, e mostra como formar linhas melódicas que tiram proveito delas sobre acordes específicos. Ele pressupõe familiaridade com as escalas básicas descritas nesta Introdução.
  • John Mehegan, Jazz Improvisation. Esta é uma série de vários volumes publicados nos anos 60. Na época, eles foram considerados bem completos, mas eles contêm muito pouca informação sobre desenvolvimentos que aconteceram desde então, ou mesmo sobre os avanços que estavam sendo feitos na época, como as substituições Coltrane e as harmonias quartais.
  • George Russell, The Lydian Chromatic Concept Of Tonal Organization For Improvisation. Este é um livro de teoria avançada que descreve alguma aplicações únicas da teoria de escalas à improvisação. Ele usa algumas escalas inusitadas, e mostra como construir complexas linhas melódicas cromáticas usando essas escalas como uma base. O processo é um tanto complicado, e envolve o uso de uma esquema do tipo regra de cálculo para associar escalas com acordes. Foi considerado um marco quando publicado pela primeira vez nos anos 60, embora a aplicação direta das teorias nunca tenha de fato sido amplamente utilizada, exceto num grupo relativamente pequeno de músicos, talvez porque elas eram tão complexas. Mesmo assim, elas formam a base de boa parte da teoria de escalas ensinada atualmente pela maioria dos outros autores, inclusive nesta Introdução.
  • David Liebman, A Chromatic Approach To Jazz Harmony And Melody. Esta é uma discussão completa de cromatismo melódico e o que eu chamei de música atonal. O livro contém muitos exemplos de linhas de solos gravados por John Coltrane, Herbie Hancock, e outros músicos modernos.
  • David Baker, The Jazz Style Of .... Esta é uma série que inclui volumes sobre Miles Davis, John Coltrane, Cannonball Adderly, Sonny Rollins, Fats Navarro, e Clifford Brown. Cada volume inclui uma breve biografia e um resumo do estilo musical do músico em questão. Vários solos transcritos e análises deles constituem o grosso de cada volume.
  • Martin Mann, Jazz Improvisation For The Classical Pianist. Esta é uma introdução à improvisação de jazz voltada para o músico acostumado a uma abordagem estruturada de aprendizado. Dá muita ênfase em escalas e exercícios.
  • Mark Levine, The Jazz Piano Book. Este é o livro mais completo que eu já vi para pianistas de jazz. Ele cobre escalas, aberturas, acompanhamento e outros tópicos também discutidos nesta Introdução, mas ele consegue avançar mais profundamente. Ele contém muitos exemplos musicais úteis, o que o torna muito mais legível. Ele também contém uma discussão muito boa sobre jazz latino, inclusive informação que é útil para baixistas e bateristas. Entretanto, ele tem suas falhas. Ele passa superficialmente sobre o blues, nem sequer apresentando a escala de blues ou descrevendo uma progressão harmônica de blues, exceto de passagem. Além disso, embora ele tente colocar parte de seu conteúdo num contexto mais amplo de história e situações práticas, isso é feito de uma maneira um tanto aleatória.
  • Dan Haerle, Jazz Improvisation For Keyboard Players. Este era meu livro favorito sobre piano de jazz até que o livro de Levine apareceu alguns anos atrás. Embora ele promete fluir logicamente do nível iniciante até o nível avançado, a maior parte da informação é na verdade orientada para o intermediário. Ele não é, para mim, um livro tão agradável quanto o de Levine, e é ainda menos convincente em relação a colocar a instrução em contexto. Ele está à venda seja como três volumes separados (Básico, Intermediário e Avançado) ou como um conjunto completo.
  • Dan Haerle, Jazz/Rock Voicings For The Contemporary Keyboard Player. A maioria das informações deste livro são reproduzidas no livro dele cobre improvisação, ou no de Levine, mas há algum vantagem em ter tudo que você queria saber sobre aberturas de acordes apresentado em detalhe num único lugar. Entretanto, ele na verdade não cobre uma variedade tão ampla de aberturas quanto se poderia esperar de um livro dedicado somente a este propósito.
  • Frank Mantooth, Voicings. A ênfase deste livro é em aberturas que são usadas em acompanhamento, por oposição a aberturas que são usadas em solos. Muita atenção é dada a aberturas quartais e outras aberturas mais contemporâneas. Ele também tem mais material explicativo do que o livro de Haerle sobre aberturas.
  • Garrison Fewell, Jazz Improvisation. Este é um texto razoavelmente vasto que cobre parte da teoria básica de relações acorde/escala, análise de progressão de acordes, e construção de linhas melódicas. Ele contém muitos exemplos, e tenta explicar por que os exemplos soam bem. Ele é voltado para violonistas, mas seus métodos podem ser aplicados para qualquer instrumento, já que não são compostos com técnicas específicas do violão, como aberturas, picking, ou fretting.
  • Paul Lucas, Jazz Chording For The Rock/Blues Guitarist. Este livro é voltado para o músico que sabe como tocar violão, mas só está familiarizado com os cinco acordes comuns de cordas abertas (open string chords) usados no rock (C, A, G, E, e D). Outros acordes comuns no jazz são então apresentados como variações sobre esses padrões. O livro contém também algum material mais avançado sobre condução de acordes, substituição de acordes, harmonias quartais, multiacordes, e escalas.
  • Joe Pass e Bill Thrasher, Joe Pass Guitar Style. Este livro cobre harmonia e aplicações à improvisação, inclusive formação de acordes, aberturas, substituições e condução de acordes.
  • Chuck Sher, The Improvisor's Bass Method. Este livro começa com a instrução mais básica sobre como tocar o baixo, inclusive tabelas de dedilhado, e como ler música, e avança até a teoria musical convencional do jazz com aplicações para tocar o baixo. Ele também contém várias linhas de baixo transcritas e solos de baixistas bem conhecidos, como Scott LaFaro, Charles Mingus, Paul Chambers, Ron Carter e outros.
  • Steve Houghton e Tom Warrington, Essential Styles For The Drummer And Bassist. Este livro é uma receita de padrões básicos para 30 estilos de música, do pop ao funk ao reggae ao jazz latino. Ele inclui um CD.
  • Peter Erskine, Drum Concepts And Techniques. Este livro explica o básico da técnica de bateria.
  • Frank Malabe e Frank Weiner, Afro-Cuban Rhythms For The Drum Set. Este livro descreve os vários estilos de percussão africanos e latino-americanos e como tocá-los na bateria.
  • Ed Thigpen, The Sound Of Brushes. Este livro explora técnicas de vassourinha para bateristas.
  • Andy Laverne, Handbook Of Chord Substitutions. Este livro, útil para pianistas e arranjadores, discute várias maneiras de rearmonizar músicas. As substituições são muito mais avançadas do que as substituições ii-V do tipo trítono e Coltrane discutidas nesta Introdução.
  • Paul Rinzler, Jazz Arranging And Performance Practice: A Guide For Small Ensembles. Este livro é voltado mais para a prática em grupo do que para improvisação individual.
  • David Baker, Arranging And Composing. A ênfase é em arranjos para pequenos grupos, de trios a grupos com quatro ou cinco metais.

©2017


© 2005-2007 Cláudio Brandt Todos os direitos reservados. O Jazzbossa.com é hospedado gratuitamente pela 000webhost.com.

www.000webhost.com