Jazzbossa.com
COCATB
Mapa | Contato
Jazzbossa.com
Jazzbossa.com | Teoria Musical | Improvisação | Intervalos | Software

Uma Introdução à Improvisação no Jazz, de Marc Sabatella - Tradução de Cláudio Brandt

Índice Geral | Anterior: Fundamentos do Jazz: Suingue | A seguir: Relações Acorde/Escala

©2007

Teoria Musical
Pauta e Claves
Fórmula de Compasso
Tom e Semitom
Escala Maior
Escalas Menores
Intervalos
Acordes
Aberturas
Acordes de Sétima

Jazz
História
Fundamentos
Rel. Acorde/Escala
Teoria Musical
Harmonia (Maior)
Harm. (Menor Melódica)
Escalas Pentatônicas
Escalas de Blues
Aplicando a Teoria
Improv. s/ Harmonia
Bibliografia
Discografia
Standards

Fundamentos do Jazz (parte 3)

Criatividade

O aspecto mais importante da improvisação é a criatividade. Este é o mais vital dos conceitos que um improvisador precisa entender. O objetivo é escutar alguma coisa interessante na sua cabeça e conseguir tocá-la imediatamente. O seu entendimento dos fundamentos da música é um aliado nessa jornada. Ele pode ajudar você a interpretar os sons que você escuta na sua cabeça, relacionando-os a sons que você conhece e compreende. A sua fluência técnica no seu instrumento é um outro aliado. Ela pode ajudar você a executar com precisão aquilo que você conceber. A inspiração, entretanto, é o que permite que você ouça ideias interessantes para começo de conversa. Essa fagulha criativa é o que distingue o verdadeiro artista do mero artesão. Embora nenhuma introdução como esta vá conseguir mostrar como ser criativo, posso tentar jogar um pouco de luz sobre a criatividade naquilo em que ela se relaciona com a improvisação.

O Processo Criativo

O trompetista Clark Terry resume o processo criativo como sendo "imitar, assimilar, inovar". Ouvir outros músicos pode lhe dar ideias que você pode querer desenvolver mais, enquanto conseguir reproduzir com sucesso o que eles estão fazendo é um passo rumo a conseguir expressar-se. Depois, você precisa entender por que as coisas que você está tocando soam da maneira como elas soam, para que, quando você quiser criar um som específico, saiba como alcançá-lo. A teoria apresentada nas próximas seções pode ajudar você a estruturar seus pensamentos e pode também ajudar você a identificar os sons que você ouve. Entretanto, os processos analíticos são um auxílio para o processo criativo, não uma substituição dele. Duas analogias, uma com a língua e outra com a matemática, podem ajudar a deixar isso mais claro.

Quando começou a falar, você aprendeu primeiro ouvindo outras pessoas e imitando elas. Gradualmente, você tornou-se consciente de noções da gramática, até que um dia a gramática foi codificada para você em aulas de português. O seu vocabulário vem provavelmente crescendo desde que você pronunciou a primeira palavra. Tanto na escrita quanto na conversação, suas ferramentas são o seu conhecimento de gramática, vocabulário e o assunto apropriado. Para escrever ou falar alguma coisa interessante, entretanto, você precisa ter uma certa dose de inspiração. Não é suficiente juntar sequências gramaticalmente corretas de palavras. O que você tem a dizer é geralmente mais importante do que a maneira como o diz, embora o uso correto da língua possa ajudar você a passar sua mensagem. Do mesmo modo, na música, o conhecimento de teoria e dos fundamentos são as ferramentas da composição e da improvisação, mas a inspiração exerce o papel mais importante em determinar o seu sucesso. Não basta simplesmente coar as notas "certas"; é preciso que você toque música interessante. A improvisação no jazz é geralmente comparada a "contar uma história", e, como uma boa história, deve ser bem estruturada e também passar alguma coisa interessante para o ouvinte.

Na matemática, a criatividade também pode com frequência ser crucial. Aprender os vários axiomas, fórmulas e equações normalmente não diz a você como resolver um problema lógico específico, integrar uma certa função ou provar um novo teorema. Alguma inventividade é necessária para se conseguir aplicar o conhecimento ao problema específico. Geralmente, saber como problemas similares foram resolvidos no passado pode dar uma ideia de por onde começar, e a experiência em trabalhar com um tipo específico de problema pode ajudar a direcionar você. Entretanto, em todos os problemas matemáticos, exceto os mais simples, algum pensamento original é necessário. Da mesma maneira, no jazz, sua familiaridade com os trabalhos de outros músicos pode ajudar você a começar, e seu conhecimento de teoria pode ajudar a direcionar você, mas para ser um improvisador bem-sucedido, você precisa ser criativo. Do mesmo modo que longas colunas de números não são necessariamente interessantes, mesmo que a soma seja correta, tampouco o é uma improvisação que consista de nada mais do que escalas e padrões baseados nessas escalas.

Sua experiência como ouvinte, seu conhecimento de teoria musical e a experimentação com o seu instrumento vão definir o contexto musical em que você conseguirá se exprimir. Você deve continuamente se esforçar para expandir esse contexto, ouvindo muitos músicos diferentes, analisando o que você ouve e praticando tanto quanto possível. Mesmo assim, o ingrediente final, a inspiração, você terá de descobrir por conta própria.

A Improvisação

Você deve, a esta altura, se já não o fez, começar a improvisar. Você deve começar da mesma maneira que começou a praticar o suingue: sozinho e sem acompanhamento a princípio, com um gravador se possível, e depois com algum tipo de acompanhamento de seção rítmica. Novamente, o Band-In-A-Box, os discos Aebersold, ou os acompanhamentos criados por você mesmo serão muito valiosos.

Para suas primeiras tentativas de improvisação, escolha uma tonalidade com que se sinta confortável e então comece a tocar o que der na cabeça. Invente pequenas melodias que usem principalmente notas da escala escolhida. Não tente preencher todo o espaço disponível com notas. Em vez disso, concentre-se em ouvir uma frase curta na cabeça, e então tente tocar essa frase. Não se preocupe se isso significar que haverá pausas de vários segundos ou mais entre as frases. Miles Davis usava esse tipo de fraseado o tempo todo.

Em algum ponto, enquanto estiver improvisando numa dada tonalidade, tente tocar notas que não são dessa tonalidade. Tocar notas que não estão na tonalidade usada é às vezes chamado de tocar outside, ou seja, tocar por fora. Você vai descobrir que muitas vezes isso soa muito natural, enquanto em outras, soa dissonante, ou áspero. As seções sobre teoria mais adiante podem ajudar você a entender por que isso acontece, mas seu ouvido é o último juiz. Quando você finalmente ficar sem ideias numa tonalidade, talvez deva trocar para outra. Você também pode tentar improvisar sem nenhuma tonalidade central. Acredito que isso deva ser tão natural quanto improvisar dentro de um tom.

Transcrever solos tocados por outros músicos é uma maneira de conseguir algumas ideias do que tocar. Você pode examinar a estrutura do solo, ver como eles usam as várias relações acorde/escala discutidas mais adiante nesta Introdução, e tentar aplicar o que você aprender na sua própria música. Um dos melhores solos para um iniciante estudar é o solo de Miles Davis em "So What" no álbum Kind Of Blue. A estrutura de acordes é simples: 16 compassos em Ré Menor, seguidos por 8 compassos em Mi Bemol Menor, e depois 8 compassos novamente em Ré Menor. As linhas de Miles são fáceis o bastante para ser transcritas nota por nota. As seções de teoria abaixo vão ajudar você a entender o contexto em que Miles estava trabalhando, mas transcrever o solo dele vai ajudar você a ver o que ele estava fazendo dentro desse contexto.

Uma outra maneira de conseguir ideias para solos é usar padrões, ou frases curtas que você praticou antecipadamente e que sabe que vão se encaixar nas mudanças de acordes em um ponto específico. Em geral, improvisar é muito mais do que simplesmente juntar padrões um depois do outro, mas praticar padrões pode ser uma boa maneira de desenvolver sua técnica, bem como seu ouvido, especialmente se você pratica seus padrões em todas as 12 tonalidades. Há vários livros, entre eles Patterns For Jazz, de Jerry Coker, que apresentam alguns padrões úteis.

Uma técnica usada com frequência na era do bebop e desde então é a citação, ou usar uma frase reconhecível de uma outra composição, ou de uma improvisação gravada bem conhecida, como parte de sua própria improvisação. Isso às vezes também é chamado de interpolação. Você pode ter notado isso acontecendo em solos que já ouviu. Há geralmente algum valor humorístico em fazer citações, especialmente se o trabalho interpolado é algo bobinho como "Pop Goes The Weasel".

Os obstáculos mais importantes para um improvisador iniciante superar são suas próprias inibições. A princípio, quando estiver praticando improvisação sozinho, você pode achar que não tem nenhuma ideia para tocar. Depois que você tiver chegado ao ponto em que se sente confortável e concluir que é hora de tocar com outros músicos, pode se sentir envergonhado de tocar na frente de seus colegas. Finalmente, quando conseguir tocar com outros músicos em lugar reservado, pode ficar com medo quando tocar pela primeira vez em público. Não tenho curas milagrosas para esses problemas. Só posso sugerir que você toque tanto quanto possível em cada estágio, e se pressione continuamente para correr riscos.


Vire fã do Jazzbossa.com:




© 2005-2007 Cláudio Brandt Todos os direitos reservados.