Tríades Diatônicas

Excerto

Todas as escalas maiores e menores têm sete tríades especiais, chamadas de tríades diatônicas.

Assista à aula completa com animação em Flash ou leia a transcrição abaixo

As aulas de teoria musical foram produzidas em Flash, uma tecnologia que não funciona em celulares e em alguns tablets. Se em vez da aula aparecer abaixo uma tela em branco, você pode salvar o link desta página em seus favoritos e abri-la depois num computador desktop ou notebook. Se já estiver num computador, basta instalar e ativar o Flash no navegador. Bons estudos!

Transcrição

Todas as escalas maiores e menores têm sete tríades especiais, chamadas de tríades diatônicas, que são formadas a partir das notas dessas escalas.

Para descobrirmos as tríades diatônicas, precisamos usar um processo de três etapas.

Primeiro, construa a escala. Vamos usar a escala Dó Maior como nosso primeiro exemplo.

Depois, sobreponha duas terças genéricas sobre cada nota.

Por fim, analise as tríades resultantes.

A primeira tríade contém Dó, Mi e Sol – uma terça maior e uma quinta justa. Logo, a tríade é maior.

A segunda tríade contém Ré, Fá e Lá – uma terça menor e uma quinta justa. Logo, ela é menor.

A terceira tríade contém Mi, Sol e Si – uma terça menor e uma quinta justa. Logo, ela também é menor.

A quarta tríade contém Fá, Lá e Dó – uma terça maior e uma quinta justa. Logo, ela é maior.

A quinta tríade contém Sol, Si e Ré – uma terça maior e uma quinta justa. Logo, ela também é maior.

A sexta tríade contém Lá, Dó e Mi – uma terça menor e uma quinta justa. Logo, ela é menor.

A sétima tríade contém Si, Ré e Fá – uma terça menor e uma quinta diminuta. Logo, ela é diminuta.

A oitava tríade é uma repetição da primeira (Dó, Mi e Sol), e portanto é maior.

A primeira tríade de uma escala maior sempre vai ser maior, a segunda e a terceira tríades sempre vão ser menores, etc.

Agora, vamos revelar as tríades diatônicas da escala Dó Menor Natural.

Primeiro, constrói-se a escala. Observe que estamos usando uma armadura de clave em vez de colocar os acidentes em cada nota.

De novo, duas terças genéricas são sobrepostas acima de cada nota.

Por fim, vamos analisar as tríades resultantes.

A primeira tríade contém Dó, Mi bemol e Sol – uma terça menor e uma quinta justa. Logo, a tríade é menor.

A segunda tríade contém Ré, Fá e Lá bemol – uma terça menor e uma quinta diminuta. Logo, ela é diminuta.

A terceira tríade contém Mi bemol, Sol e Si bemol – uma terça maior e uma quinta justa. Logo, ela é maior.

A quarta tríade contém Fá, Lá bemol e Dó – uma terça menor e uma quinta justa. Logo, ela é menor.

A quinta tríade contém Sol, Si bemol e Ré – uma terça menor e uma quinta justa. Logo, ela também é menor.

A sexta tríade contém Lá bemol, Dó e Mi bemol – uma terça maior e uma quinta justa. Logo, ela é maior.

A sétima tríade contém Si bemol, Ré e Fá – uma terça maior e uma quinta justa. Logo, ela também é maior.

A oitava tríade é uma repetição da primeira (Dó, Mi bemol e Sol), e portanto é menor.

Por fim, vamos discutir as tríades diatônicas da escala menor harmônica.

Para converter a menor natural na menor harmônica, a sétima nota é elevada em um semitom. Logo, cada Si bemol (a sétima nota da escala Dó Menor) é elevada para Si.

Como o terceiro, quinto e sétimo acordes foram alterados, eles precisam ser reanalisados.

A terceira tríade contém agora Mi bemol, Sol e Si – uma terça maior e uma quinta aumentada. Logo, ela é aumentada.

A quinta tríade contém agora Sol, Si e Ré – uma terça maior e uma quinta justa. Logo, ela é maior.

Por fim, a sétima tríade contém agora Si, Ré e Fá – uma terça menor e uma quinta diminuta. Logo, ela é diminuta.

Se você encontrar algum erro, por favor nos avise, é bem fácil! Basta marcar o texto e pressionar Ctrl+Enter.

Relatório de erros de ortografia

O texto a seguir será enviado para nossos editores: